FAMILIARES ACUSAM GUARDA MUNICIPAL DE BARREIRAS DE PRATICAR TORTURA CONTRA VIGILANTE

   aa_opt

             a_opt

A senhora Isa Novais diz que sua família procurou a delegacia e a imprensa local para denunciar guardas municipais de Barreiras por crime de tortura física e psicológica contra o seu irmão, o vigilante José Carlos Novais Silva, de 43 anos.  Declarou que as agressões aconteceram na rua, quando o mesmo foi preso no posto Ipiranga, em frente à rodoviária, também no quartel e na viatura durante a condução para o complexo policial do bairro Aratu.

Enfatizou que os plantonistas da delegacia não quiseram recebê-lo, devido aos indícios de espancamento, entretanto, os guardas foram obrigados a levá-lo para atendimento no hospital do Oeste e posteriormente o reconduziram para a unidade policial.


Acrescentou que o amarraram, agrediram a socos, pontapés, deram uma coronhada de revólver na cabeça e encheram sua boca de papel higiênico, para obrigá-lo ficar calado durante as agressões. “Queremos justiça. Não há justificativa para o que fizeram com ele”, vociferou Isa.


  bab9190f-e38d-402a-b1d6-a41483b693ce_opt


Esposa e a tia dele fizeram fotos das lesões e do mesmo algemado, divulgaram nas redes sociais e prometem entregar cópias as autoridades investigadoras das denúncias. Isa ainda comentou que um dos supostos agressores perguntou aos colegas o que fazer com o vigilante, com medo de punições, caso os levassem para a delegacia. “Essa conversa e as agressões aconteceram na presença do Marcelo, chefe da guarda, o qual, nada fez”, disse.

O delegado Joaquim Rodrigues, titular da 1ª delegacia do município, informou que a apuração do fato está em andamento, mas não existe acusação contra os guardas municipais, de tortura, injúria e constrangimento ilegal. “Eles precisam apresentar testemunhas e provas dos atos de tortura”.

O bacharel já emitiu guia para realização de exame de corpo/delito do vigilante, no Departamento de Polícia Técnica; lavrou um termo circunstanciado da ocorrência e intimou as partes para audiência, que deve acontecer no prazo de 30 dias. “Os guardas dizem que usaram a força, porque foram agredidos por ele. Agora vamos aguardar o laudo da polícia científica para tirar conclusões, se realmente houve ou não exageros durante a detenção”, observou.

Em entrevista ao programa Ligação Direta da Rádio Vale do Rio Grande, Isa prometeu solicitar intervenção do Ministério Público Estadual para fazer o acompanhamento das investigações e adotar providências que o caso requer. “Vamos fazer manifestações nas ruas e o que for necessário pedindo justiça”.

José Carlos foi preso segunda-feira, 25, por volta das 16h 00. Os servidores municipais da guarda o acusaram de desacato e resistência à prisão, depois que teve sua moto apreendida por estar exercendo clandestinamente a profissão de mototaxista, ou seja, sem o alvará de licença da prefeitura. “Eles não deixaram meu irmão provar que comprou e pagou o colete de mototaxista e já começaram a agredí-lo”, Concluiu Isa.

Ainda declara que Novais recebeu atendimento médico no HO e numa clínica de ortopedia, uma vez que, sofreu lesão na coluna cervical e se queixava de fortes dores no corpo e pescoço. Está com hematomas na região peitoral, nas costas e olhos.


Alô Alô Salomão 
FAMILIARES ACUSAM GUARDA MUNICIPAL DE BARREIRAS DE PRATICAR TORTURA CONTRA VIGILANTE FAMILIARES ACUSAM GUARDA MUNICIPAL DE BARREIRAS DE PRATICAR TORTURA CONTRA VIGILANTE Reviewed by Mural do Oeste on sábado, julho 30, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.