BLEFE DE RUSSOMANO E MÁGOAS TUCANAS: O DEBATE QUE VOCÊ NUNCA VIU

   Debate dos candidatos à Prefeitura de São Paulo

Magoou – Antes do começo do debate, quando o governador Geraldo Alckmim chegou, Andrea Matarazzo, que estava bem no seu caminho, virou as costas. “O Geraldo eu não quero ver”, disse o ex-tucano, preterido na vaga para ser candidato do PSDB e atual vice de Marta

Coração dividido – Na parte da plateia destinada ao PT, o ex-ministro de Dilma Antonio Carlos Rodrigues disse que infelizmente não poderia torcer por Marta — ele é suplente dela no Senado e assumiria se ela for eleita. “É uma questão de hombridade”, disse.


Sem sentar na janelinha – Os petistas, aliás, reclamaram bastante. “Não basta a gente ficar no pior lugar, ainda ficam esbarrando na gente”, disse o presidente do partido, Rui Falcão, ao tomar uma trombada de um câmera — eles ficaram num canto em que havia duas câmeras na frente, com a visão prejudicada do palco.

Culpa do frio – E não foi só Celso Russomanno que atribuiu sua performance ao frio. O mediador, Boris Casoy, que trocou duas vezes eleitor por eleitora na hora das perguntas, reclamou da temperatura. “Estava uns sete graus”, disse, depois do debate.

Eduardo e Marta – Ex-marido é para sempre. Na saída, Eduardo suplicy ficou plantado no caminho de Marta, para cumprimentá-la. Ela deu um beijinho — bem menos entusiasmado no que deu menos de um minuto depois no atual marido, que a esperava lá fora.

Amigo árabe – Adversários na política, Jilmar Tatto, do PT, e Pedro Tobias, do PSDB, ficaram falando das ligações com árabes. “Oi brimo”, disse o petista. “Allahu akbar”, Deus é grande, brincaram, antes de falar sobre regiões do Líbano, onde têm parentes.

Coxipster – A roupa do Doria, mais descolada sem gravata e paletó, foi um opção do próprio candidato. Por debaixo da camera, ele usava um sapato osklen claro.

Esquadrão da Moda – Aliados de Doria divertiam-se na plateia trocando mensagens sobre o figurino de Marta Suplicy. Não gostaram do tom marrom da roupa, sobre o qual fizeram piadas com direito a emotions.

Pegadinha – A falta de Russomano ao debate era apenas um blefe. Ele sempre esteve programado para ir. A ameaça foi uma forma de pressionar os aliados a mudar de ideia sobre a ida de Erundina.

Vai ter bolo – O coordenador da campanha da Marta, José Yunes, só foi ao debate após pedido pessoal de Marcio Toledo, marido da Marta. O planejamento inicial era que ele estivesse em Brasília.

Festa – Aliados do Russomanno saíram satisfeitos. Após o debate, todos foram abraçá-lo para comemorar o desempenho do candidato do PRB.

PMDB, não – O deputado estadual Delegado Ollim, do PP, ficou reticente ao sentar em uma cadeira destinada ao PMDB. Referindo-se ao tamanho da bancada de seu partido, disse que “a cadeira do PP é tão pequena, não vou sentar na do PMDB”. Por fim, cedeu ao correligionário Guilherme Mussi, presidente da legenda em São Paulo, e ambos sentaram em lugares destinados a peemedebistas, logo atrás do coordenador da campanha de Marta Suplicy, José Yunes.

Matarazzo congelado – O vereador Andrea Matarazzo, vice na chapa de Marta Suplicy, passou o debate reclamando de uma corrente de ar condicionado que lhe castigava a cabeça e as costas. Matarazzo chegou a cobrir as orelhas com a lapela do casaco preto que vestia. No último bloco do debate, justamente quando o ar já não era tão severo, Matarazzo resolveu circular e só voltou a seu lugar, entre sua mulher, Sônia, e o marido de Marta Suplicy, Márcio Toledo, no fim do debate.

Endireita, Russomanno – O marqueteiro Duda Lima, responsável pela campanha de Celso Russomanno, orientou pelo menos três vezes o candidato a manter uma postura mais ereta a firme enquanto fora do enquadramento das câmeras. Russomanno aprumava os ombros e estufava levemente o peito quando advertido pelo publicitário à distância.
BLEFE DE RUSSOMANO E MÁGOAS TUCANAS: O DEBATE QUE VOCÊ NUNCA VIU BLEFE DE RUSSOMANO E MÁGOAS TUCANAS: O DEBATE QUE VOCÊ NUNCA VIU Reviewed by Mural do Oeste on terça-feira, agosto 23, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.