A INCRÍVEL CONFISSÃO QUE PÔS FIM AO MISTÉRIO DE DESAPARECIMENTO DE UM MENINO HÁ 27 ANOS

        O sumiço de Jacob Wetterling em 1989 fez com que os Estados Unidos mudassem as leis de registro de criminosos sexuais       (Foto: Familia Wetterling)
  Danny Heinrich, de 53 anos, confessou ter sequestrado, abusado e matado Jacob enquanto era julgado por          manter em casa uma coleção de imagens de pornografia infantil (Foto: AP)
Jacob Wetterling, de 11 anos, foi sequestrado quando andava de bicicleta na zona rural de Minnesota, nos EUA. Vinte sete anos depois de seu desaparecimento, seu corpo foi encontrado e o assassino, um pedófilo que colecionava pornografia infantil, confessou o crime.
Desde que Jacob foi levado por um homem mascarado e armado, em outubro de 1989, ninguém nunca havia sido preso ou processado pelo crime. Seu desaparecimento, contudo, causou grande comoção no Estado e provocou mudanças nas leis de registro de criminosos sexuais nos EUA.
Danny Heinrich, de 53 anos, inicialmente havia sido identificado pela polícia como "uma pessoa de interesse", que poderia ajudar a desvendar o sequestro de Jacob, cujo corpo foi localizado no fim de semana.
Nesta terça-feira (6), durante um julgamento em que respondia a acusações de possuir imagens de pornografia infantil, Heinrich confessou ter sequestrado e matado o garoto.
Ele revelou detalhes de como levou, abusou e matou Jacob. Ele também se declarou culpado pela outra acusação.

A confissão
A imprensa local descreveu o depoimento de Heinrich como "estarrecedor".

Diante de um juiz e de um auditório lotado, onde estavam presentes os pais de Jacob, Heinrich, ao ser perguntado se tinha alguma relação com o crime ocorrido há 27 anos, decidiu contar como tudo aconteceu.
Jacob andava de bicicleta com o irmão e um amigo numa estrada da zona rural próximo onde morava, no Minnesota. Usando uma máscara e armado com um revólver, Heinrich abordou os três garotos. O agressor pegou Jacob e mandou os outros dois garotos correrem sem olhar para trás.
Enquanto os meninos fugiam, ele algemou Jacob e o colocou no carro.
"O que eu fiz de errado?", perguntou Jacob, enquanto era levado pelo sequestrador. Ele foi abusado sexualmente num local próximo à casa do agressor que, à época, vivia com o pai.
Heinrich contou que entrou em pânico quando viu as luzes e ouviu as sirenes dos carros da polícia, que passaram próximo ao local onde ele molestou o garoto. Enquanto carregava o revólver, disse a Jacob que voltaria logo.
Em vez de sair, Heinrich atirou no menino. De acordo com o jornal americano Washington Post, foram três tiros. O primeiro falhou. O segundo acertou atrás da cabeça e um terceiro tiro levou em definitivo a vida do garoto.
Ele foi enterrado pelo próprio Heinrich a menos de 100 metros do local onde foi morto.
Ainda segundo a imprensa norte-americana, um ano depois do crime, o assassino notou que a jaqueta vermelha de Jacob estava à vista. Ele decidiu desenterrar os restos mortais do garoto e os escondeu novamente numa fazenda próxima.
Suspeito desde o início
Desde o desaparecimento de Jacob, Heinrich sempre esteve no radar dos investigadores. Ele chegou a ser interrogado logo após o sequestro, mas a polícia norte-americana nunca encontrou evidências suficientes para incriminá-lo.

O caso, contudo, nunca foi arquivado. Em 2014, a polícia revisou outro crime que travava de agressão sexual contra uma criança de 12 anos. Esse segundo caso ocorreu nove meses antes do desaparecimento de Jacob e havia suspeitas de que estavam conectados.
Usando uma tecnologia que não estava disponível em 1989, os pesquisadores descobriram o DNA de Heinrich em uma camiseta da vítima. Com isso, conseguiram um mandado de busca para a casa do homem, onde encontraram uma grande coleção de pornografia infantil.
Os investigadores detiveram Heinrich, indiciando-o por posse de pornografia infantil - uma vez que o caso de abuso sexual aos garoto de 12 anos já havia prescrito.
Após sua prisão, em outubro de 2015, os promotores tentaram negociar com Heinrich por vários meses para tentar obter informações sobre o sumiço de Jacob. Há dez dias, ele finalmente decidiu colaborar e levou os investigadores ao local onde os restos mortais da criança foram encontrados.
No sábado, passados quase 28 anos do desaparecimento de Jacob, veio a confirmação de que ele tinha sido morto. A polícia anunciou que os restos da criança foram encontrados e identificados por peritos.
"Nossos corações estão partidos", afirmou a mãe de Jacob, Patty Wetterling, numa mensagem de texto enviada à emissora de televisão local na qual confirmou que o corpo do filho foi encontrado.
Segundo o Washington Post, a confissão no tribunal na terça-feira fazia parte do acordo feito com a promotoria, que prevê que ele cumprirá pena em uma localidade em que "não correrá o mesmo perigo como criminoso condenado por crimes sexuais".
Ainda como parte do acordo, segundo o Start-Tribune de Minneapolis, ele não será indiciado pela morte de Jacob, apenas por possuir pornografia infantil, e sua pena máxima é de 20 anos. A sentença será anunciada em novembro.
Caso que fez história
O desaparecimento de Jacob marcou a infância de muitos na zona rural de Minnesota. Não apenas mudou a forma como os pais deixam seus filhos brincar livremente e também teve impacto sobre leis americanas.

A mãe do garoto, Patty Wetterling, passou a participar de eventos de parentes de desaparecidos e a militar na área de proteção de crianças e adolescentes. Em 1991, cerca de dois anos depois do sequestro de Jacob, uma lei estadual foi criada para fornecer às autoridades uma lista completa de criminosos sexuais que vivem em Minnesota.
Em seguida, em 1994, o Congresso americano aprovou uma lei ordenando cada Estado a criar um registro similar, com o nome dos criminosos sexuais.
Durante anos, o rosto de Jacob apareceu em inúmeros cartazes. Uma vez por ano, moradores de Minnesota eram convidados a acender as luzes na entrada de suas casas para pedir pelo retorno do garoto.
A mãe de Jacob, que sempre manteve as esperanças de um dia encontrar o filho com vida, fundou uma associação que ajuda famílias e comunidades a protegerem crianças. A entidade ganhou o nome de Jacob Wetterling e, no sábado, publicou em sua página da internet uma declaração dizendo estar "profundamente triste".
"É incrivelmente doloroso saber como foram os últimos dias, horas e minutos dele", disse a mãe de Jacob, depois da audiência judicial.
"Para nós, Jacob estava vivo até o encontrarmos", completou.
Fonte: G1 Globo
A INCRÍVEL CONFISSÃO QUE PÔS FIM AO MISTÉRIO DE DESAPARECIMENTO DE UM MENINO HÁ 27 ANOS A INCRÍVEL CONFISSÃO QUE PÔS FIM AO MISTÉRIO DE DESAPARECIMENTO DE UM MENINO HÁ 27 ANOS Reviewed by Mural do Oeste on quarta-feira, setembro 07, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.