POLÍCIA PEDE PRISÃO DE JOVEM QUE ACUSA FELICIANO DE ESTUPRO

  A militante do PSC,Patricia Lelis, fala com a imprensa ao sair da Procuradoria Especial da Mulher no Senado Federal. Ela foi à procuradoria fazer uma representação contra o deputado Marco Feliciano (PSC-SP), a quem acusa de tentativa de estupro e agressão - 08/08/2016

Delegado diz que Patrícia Lelis "coloca vidas em risco" com mentiras e fez a polícia paulistana trabalhar 20 dias "em cima de uma mentira"


Após indiciar a jornalista Patrícia Lelis, de 22 anos, suspeita de denunciação caluniosa e extorsão ao dizer que foi ameaçada e mantida em cárcere privado pelo assessor parlamentar do deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP), Talma Bauer, a Polícia Civil de São Paulo encerrou o inquérito com um pedido de prisão preventiva da jovem.


A investigação apurava as denúncias feitas por Patrícia contra o assessor parlamentar, que é investigador de polícia aposentado. No dia 5 de agosto, ele chegou a ser preso, mas logo foi liberado após negar o ocorrido. Em outro inquérito instaurado em Brasília, a jornalista acusa Marco Feliciano de assédio, tentativa de estupro e agressão.

O delegado Luiz Roberto Hellmeister, que conduziu o inquérito, pediu a prisão preventiva de Patrícia na sexta-feira passada, dia 2, por entender que ela “pode comprometer vidas”. “Alego que ela falseou com a verdade, movimentou toda a polícia paulistana, demonstrou perigo nas atitudes dela quando pediu ao Bauer que matasse o desafeto dela no Rio, que ela destrói vidas. Patrícia põe em risco quem a cerca com fatos não verídicos”, afirma o delegado.

Hellmeister lembra que “a polícia inteira ficou trabalhando vinte dias em uma mentira” e diz ter fundado o pedido nas mentiras da jornalista, que registrou um boletim de ocorrência dizendo ter sido coagida por Bauer durante uma semana no Hotel San Raphael, no centro de São Paulo. Segundo ela, o assessor de Feliciano estava a ameaçando para colocar um ponto final nas denúncias. “Que sequestro? Ficam três dias com o namorado dentro do hotel, e passear com as amigas e fazer cabelo no shopping, isso não é sequestro, não tem como né?”, ironiza Hellmeister

Os investigadores reuniram vídeos e fotos que mostram Patrícia e Bauer em momentos de descontração no saguão do hotel e em restaurantes — as despesas da hospedagem foram pagas pelo assessor. O depoimento do namorado da jovem, Rodrigo Simonsen, também foi considerado crucial pelo delegado para derrubar a versão de Patrícia. Ele relatou que dormiu quatro noites com ela no hotel no mesmo período em que a jovem disse estar em cárcere privado.

A Polícia Civil ainda levantou provas de que Patrícia pediu 50.000 reais a Bauer para ficar em silêncio sobre os supostos abusos cometidos por Feliciano. Uma quantia de 20.000 reais chegou a ser paga em espécie. Inicialmente, o assessor de Feliciano negou o pagamento, mas, diante das evidências, acabou admitindo que o fizesse para que ela parasse de acusar o deputado. Em depoimento à polícia, Bauer disse que o dinheiro saiu das suas contas pessoais — ele ganhava 20.000 reais como assessor parlamentar e 7.000 reais como investigador particular. O delegado entendeu que não houve crime da parte dele.

Segundo depoimento da jovem, o crime de estupro, que é investigado em Brasília, ocorreu no apartamento funcional de Feliciano, na manhã do dia 15 de junho, na capital federal. O deputado nega o crime.


Fonte: Veja
POLÍCIA PEDE PRISÃO DE JOVEM QUE ACUSA FELICIANO DE ESTUPRO POLÍCIA PEDE PRISÃO DE JOVEM QUE ACUSA FELICIANO DE ESTUPRO Reviewed by Mural do Oeste on quarta-feira, setembro 07, 2016 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.