APÓS RS E RJ, MINAS PODE SER O PRÓXIMO ESTADO A QUEBRAR

Extração de minério de ferro em Minas Gerais: queda dos preços das commodities afetou a arrecadação do estado (Divulgação Vale/VEJA/VEJA)

O Rio Grande do Sul decretou estado de calamidade financeira nesta terça-feira, uma ação semelhante à tomada pelo Rio de Janeiro em junho deste ano. Em comum aos dois está o alto nível de gastos em relação às receitas. E eles não são os únicos em desequilíbrio fiscal preocupante: segundo especialistas, a julgar pelos números, Minas Gerais está no mesmo caminho.

O desequilíbrio entre receitas e despesas é comum aos três estados. Essa diferença vinha sendo reduzida nos últimos anos, mas esse caminho se inverteu. No caso de Minas Gerais, a trajetória decrescente durou até 2013. Naquele ano, enquanto a dívida líquida era de 79,1 bilhões de reais e a receita estava em 43,1 bilhões de reais.

A partir de então, a redução do crescimento da China afetou o preço das commodities – Minas é o maior produtor de minério de ferro do país, um dos principais produtos exportados pelo Brasil -, o que impactou no ritmo de alta da arrecadação do estado. Já as despesas seguiram em expansão. Em 2015, a dívida passou a 102,6 bilhões de reais, enquanto a receita ficou em 51,6 bilhões de reais, uma evolução prejudicial às contas públicas. “Se o estado não for o próximo a quebrar, é um dos próximos”, diz Ricardo Couto, professor do Ibmec.

O gasto cresceu por fatores como contratações de funcionários públicos e concessão de benefícios a empresas. Isso dificulta um controle mais ágil das despesas, afirma Couto. “Essas contratações aconteceram em momentos de bonança”, afirma. “Mas, depois de criada a despesa, não há como cortar.”Assim como outros estados problemáticos, Minas, Rio e Rio Grande do Sul têm uma relação entre despesa com pessoal e receita corrente líquida acima da permitida pela Lei de Responsabilidade Fiscal, que é de 60%. Minas é a mais comprometida, segundo o Tesouro Nacional, com 78%.

A alta de despesas com funcionalismo em um momento de maior arrecadação faz sentido – e é permitida pela Lei de Responsabilidade Fiscal. O problema, segundo especialistas, está em atrelar uma despesa fixa e difícil de ser cortada, como aposentadoria e salários, a uma receita variável e incerta, como a arrecadação baseada em produção de commodities.

“Essa é  a receita para o fracasso. A Lei de Responsabilidade Fiscal permite, mas o governante tem que pensar como um enxadrista, planejando alguns lances à frente”, compara Paulo Vicente, professor de finanças da Fundação Dom Cabral.

O sinal de alerta com as contas de Minas Gerais já foi dado também pelo Tesouro Nacional. Todo ano, o Tesouro atribui notas aos estados de acordo com a capacidade de cada estado de honrar seus compromissos. Em agosto, quando saiu a versão mais recente do relatório, os três estados com a pior nota eram justamente Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. Os dois primeiros já decretaram estado de calamidade financeira.

Os conceitos do Tesouro vão de “A+”, para contas bem equilibradas, a “D-“, que indica desequilíbrio grave. Os três estados receberam a nota “D”, a segunda pior na escala do Tesouro Nacional.
O Tesouro avalia a capacidade de pagamento dos estados com conceitos que vão de "A+", para contas bem equilibradas, a "D-", que indica desequilíbrio grave


O Tesouro avalia a capacidade de pagamento dos estados com conceitos que vão de "A+", para contas bem equilibradas, a "D-", que indica desequilíbrio grave

E a crise não se limita às contas estaduais. De acordo com a Associação Mineira de Municípios, cerca de 70% das administrações municipais enfrentam dificuldades para pagar o 13º salário do funcionalismo público neste ano. O problema para a maioria é a queda na receita e o aumento das despesas.

Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro
O que motivou o governo do Rio Grande do Sul a decretar calamidade foi a avaliação de que não será possível pagar todas as suas contas com a receita atual. O estado projeta um déficit – ou seja, gasto além da receita – de 2,36 bilhões de reais para este ano.

E o desequilíbrio não é recente: entre 1971 e 2015, em apenas sete anos as receitas arrecadadas pelo estado foram maiores que suas despesas. De 1995 a 2015, apenas a gestão da governadora Yeda Crusius entregou as contas no azul ao fim do mandato.

O descompasso entre o que é arrecadado e o que é gasto é também a causa das dificuldades do Rio, mas a diferença estava em queda desde 2002. A situação começou a piorar a partir de 2011, por uma combinação entre aumento de despesas e queda nas receitas de impostos e de petróleo. “Quando há a ruptura, com queda dos preços do petróleo e da atividade econômica, com gastos altos, a relação piora bastante. De maneira bastante simplificada, a receita caiu com um nível elevado de gastos”, avalia Ricardo Macedo, coordenador acadêmico adjunto do Ibmec.

Procurada nesta terça-feira, a Secretaria da Fazenda de Minas Gerais informou que o secretário não poderia falar porque estava na reunião que tratava da dívida dos Estados, realizada em Brasília entre governadores, o presidente Michel Temer e a equipe econômica.

Veja
APÓS RS E RJ, MINAS PODE SER O PRÓXIMO ESTADO A QUEBRAR APÓS RS E RJ, MINAS PODE SER O PRÓXIMO ESTADO A QUEBRAR Reviewed by Mural do Oeste on quarta-feira, novembro 23, 2016 Rating: 5

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Mural do Oeste É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Blog Mural do Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada,Que esteja sem indentificação.

Tecnologia do Blogger.