expr:class='data:blog.pageType'>

ALUCINAÇÃO: DISCO DE BELCHIOR QUE É CONSIDERADO UM DOS MAIS IMPORTANTES TRABALHOS NA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA


Filho de músicos, sobrinho de poetas bastante boêmios e estudante de Filosofia e Humanidades, Belchior parecia já pré-destinado à arte. Na dúvida entre virar músico ou poeta, acabou se tornando os dois. Deixou a faculdade de Medicina e arriscou a carreira como cantor. O resultado não poderia ter sido melhor. Virou um dos maiores nomes da MPB e se tornou um dos primeiros artistas do Nordeste a fazer sucesso em todo o país.
Suas canções trazem características tão peculiares quanto o comportamento do próprio artista. As letras, poéticas e estruturadas, retratam a voz de uma geração; às vezes são cantadas, mas de vez em quando saem com tanta naturalidade, que mais parece um diálogo. Vários são os ícones dos anos 60 e 70 citados em suas letras, como James Dean, Bob Dylan e, é claro, os Beatles, além de escritores como Fernando Pessoa e Edgar Allan Poe. Construiu uma discografia com altos e baixos, como a maior parte dos artistas, e imortalizou diversos clássicos da música brasileira.

Sua obra-prima, para muitos dos seus admiradores, é Alucinação, quarto disco do compositor cearense, lançado em 1976. Composto por dez faixas, o álbum reúne músicos extremamente competentes e tem alguns dos principais hits do cantor, como "Apenas um rapaz latino-americano", que abre o disco.
Em seguida vem "Velha roupa colorida", que fala sobre saudade e mudanças. Uma das interpretações possíveis, devido a versos como "Uma nova mudança em breve vai acontecer/E o que há algum tempo era jovem novo/Hoje é antigo, e precisamos todos rejuvenescer" e "Nunca mais você saiu à rua em grupo reunido/O dedo em V, cabelo ao vento, amor e flor, quero cartaz", é que é uma canção-protesto contra a ditadura militar no Brasil.
Logo depois, vem a clássica "Como os nossos pais", que também ficou bastante famosa na voz da rainha Elis Regina. Fechando o lado A do LP, aparecem "Sujeito de sorte", aquela da frase "Ano passado eu morri mas esse ano eu não morro", e a anarquista "Como o diabo gosta".
O lado B começa muito bem com a faixa-título do disco, que mais parece obra de algum nome da poesia marginal, como Leminski ou Chacal. Em seguida vêm a bela "Não leve flores", "A Palo Seco", que foi regravada por Los Hermanos e por Oswaldo Montenegro; a linda "Fotografia 3x4" e "Antes do Fim", que deixa mensagens que jamais deveriam ser esquecidas, e não apenas pelos fãs de Belchior.
Claro que a discografia do artista estava apenas em seu começo, mas esse foi, sem dúvida, um dos principais marcos de sua carreira e uma das mais importantes contribuições para a MPB.





ALUCINAÇÃO: DISCO DE BELCHIOR QUE É CONSIDERADO UM DOS MAIS IMPORTANTES TRABALHOS NA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA ALUCINAÇÃO: DISCO DE BELCHIOR QUE É CONSIDERADO UM DOS MAIS IMPORTANTES TRABALHOS NA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA Reviewed by Redação Mural do Oeste on domingo, abril 30, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Mural do Oeste É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Blog Mural do Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada,Que esteja sem indentificação.

Tecnologia do Blogger.