expr:class='data:blog.pageType'>

VACINAR ADOLESCENTES E JOVENS PROTEGE BEBÊS CONTRA MENINGITE


Crianças pequenas formam um dos grupos mais vulneráveis à meningite meningocócica, especialmente aquelas que não completaram o esquema vacinal contra a doença. Para garantir a proteção desse grupo, portanto, é fundamental que familiares e cuidadores também estejam imunizados contra a bactéria Niesseria meningitidis, ou meningococo. Isso porque adolescentes e adultos jovens estão entre os principais transmissores do microorganismo e podem abrigá-lo na região da orofaringe por semanas, infectando os mais suscetíveis, mesmo sem desenvolver a doença.

Uma revisão de estudos publicada recentemente pela revista científica The Lancet aponta que a prevalência de portadores assintomáticos do meningococo chega a 23,7% em jovens de 19 anos, caindo para 4,5% na infância e ultrapassando os 70% no caso de indivíduos que vivem em comunidades fechadas, como quartéis e residências universitárias. Um outro trabalho, veiculado pelo Pediatric Infectious Disease Journal e realizado com estudantes de 11 a 19 anos de Campinas, no interior paulista, apontou que 9,9% dessa amostra carregava o meningococo.
“A vacinação dos adolescentes é importante porque ela elimina o estado de portador, de modo que o jovem deixa de transmitir a bactéria para as populações mais suscetíveis, como crianças pequenas e idosos. Vale lembrar que se trata de uma doença grave, que pode levar à morte em poucas horas”, afirma o médico Ricardo Feijó, professor-associado do Departamento de Pediatria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e chefe da Unidade de Adolescentes do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA).
Grande parte das crianças diagnosticadas com meningite meningocócica contrai a doença justamente por meio de portadores assintomáticos, especialmente membros da família e cuidadores, segundo a literatura médica. “Isso ocorre porque, em geral, o sistema imunológico das crianças ainda está em desenvolvimento, é mais frágil”, explica Feijó. Diante desse cenário, o Dia Mundial de Combate à Meningite, celebrado em 24 de abril, representa uma oportunidade para a conscientização sobre a importância da vacinação contra o meningococo em todas as faixas etárias.
Vacinação
A partir deste ano, o Ministério da Saúde estendeu a vacinação contra a meningite tipo C, a mais frequente no País, a adolescentes de 12 a 18 anos. Já a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomenda que adolescentes e jovens, assim como o público infantil, recebam a vacina meningocócica conjugada quadrivalente (ACWY), que protege contra os quatro principais sorogrupos da bactéria que circulam no Brasil.
Ainda que o sorogrupo C prevaleça no País, há regiões em que outros sorogrupos merecem atenção. A incidência da meningite W, por exemplo, vem crescendo na América Latina e no Sul do Brasil esse sorogrupo já responde por cerca de 23% dos casos da doença, demonstrando que essa região apresenta um perfil de circulação semelhante àquele verificado nos países vizinhos, especialmente a Argentina.
Entre as opções de vacina meningocócica que protegem contra quatro sorogrupos importantes de meningococo (ACWY) está Nimenrix, da Pfizer. O imunizante pode ser administrado em crianças a partir dos 12 meses de idade, adolescentes e adultos. Para as pessoas de 11 a 19 anos não vacinadas na infância, a SBIm recomenda duas doses, com intervalo de cinco anos. Já para os vacinados quando crianças é indicada uma dose de reforço aos 11 anos ou cinco anos após o último reforço na infância.
A vacinação de adolescentes e jovens contra a meningite é uma tendência mundial. Para reduzir o contingente de portadores assintomáticos, países como Reino Unido, Holanda, Espanha, Áustria, Canadá e Austrália, por exemplo, já imunizam adolescentes e jovens até 20 anos, como um complemento à imunização na infância.
A estratégia foi adotada porque os especialistas perceberam que a imunização das crianças contra a doença meningocócica, ao contrário do que ocorre em enfermidades como poliomielite, sarampo e gripe, não proporcionava uma imunidade coletiva tão eficiente. Por outro lado, por meio do “efeito rebanho”, quando um grande número de pessoas se vacina contra determinada doença, é possível reduzir o número de hospedeiros suscetíveis. Assim, a imunização individual acaba contribuindo para a imunidade de pessoas de outras faixas etárias não vacinadas.
A doença
A meningite é a forma clínica mais comum da doença meningocócica, uma infecção grave nas membranas que revestem o cérebro. De progressão rápida, é capaz de levar à morte em 24 horas se não for tratada de forma adequada. Também pode deixar sequelas importantes, como perdas auditivas, distúrbios neurológicos e lesões cutâneas graves, que muitas vezes levam à amputação dos membros. O contágio se dá pela saliva, quando a pessoa infectada tosse, espirra ou beija, e a transmissão ocorre principalmente quando há convívio com o indivíduo contaminado.
Notícias ao Minuto 
VACINAR ADOLESCENTES E JOVENS PROTEGE BEBÊS CONTRA MENINGITE VACINAR ADOLESCENTES E JOVENS PROTEGE BEBÊS CONTRA MENINGITE Reviewed by Redação Mural do Oeste on quinta-feira, abril 20, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Mural do Oeste É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Blog Mural do Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada,Que esteja sem indentificação.

Tecnologia do Blogger.