expr:class='data:blog.pageType'>

SEM REFORMA, TETO DE GASTOS DEVE ESTOURAR EM 2022


Sem a reforma da Previdência, o governo conseguirá cumprir o limite de crescimento dos gastos públicos no máximo até 2022. Com ela, haverá fôlego extra e o teto poderá ser preservado até 2025. É o que mostra uma simulação apresentada ontem pelo diretor executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI), Felipe Salto.

"É bastante", afirmou ele, ao ser questionado a respeito da sobrevida de apenas três anos que a reforma previdenciária dará ao teto dos gastos. "Significa que o teto pode ser sustentado até 2025, que é 80% do primeiro tempo do jogo." Ele se refere aos dez primeiros anos da regra do teto, a serem completados em 2027. Depois, poderá haver uma revisão do indexador, para ser aplicado na década seguinte.
Para sustentar o teto até 2027, porém, é necessário que a reforma seja aprovada com texto próximo do original, preservando principalmente a regra da idade mínima. O governo precisaria, ainda, tomar medidas adicionais, como suspender reajustes salariais ao funcionalismo, inclusive alguns já acordados, parar novas contratações e renegociar contratos com fornecedores.
Salto mantém essa avaliação mesmo considerando fatores que pioram o cenário da simulação. Por exemplo: os cálculos foram feitos com base na proposta original do governo, mas já foram feitas modificações que reduzirão seus efeitos. Eles consideram, também, que o governo cortaria todos os gastos possíveis, o que significaria não pagar contas de luz ou telefone.
Admitindo que parte das despesas "cortáveis" será mantida, mais ou menos como foi feito este ano, a simulação conclui que o teto de gastos "estouraria" entre 2019 e 2020 sem a reforma, e entre 2021 e 2022 com a reforma.
"A primeira coisa que esse exercício mostra é que cumprir o teto não é nada trivial", disse Salto. Outra conclusão é que, sem a reforma, ele se inviabiliza. "É uma condição necessária, mas não suficiente." E que são necessárias mais reformas para dar sobrevida ao teto. Do contrário, o governo poderá se ver forçado a descumprir o limite constitucional ou atrasar o pagamento de despesas.
A projeção da IFI para as contas públicas aponta para déficits de R$ 163,9 bilhões em 2018, R$ 140,4 bilhões em 2019 e R$ 123,4 bilhões em 2020 - quando o governo já espera resultado positivo de R$ 10 bilhões.
Notícias ao Minuto 
SEM REFORMA, TETO DE GASTOS DEVE ESTOURAR EM 2022 SEM REFORMA, TETO DE GASTOS DEVE ESTOURAR EM 2022 Reviewed by Redação Mural do Oeste on quarta-feira, maio 10, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Mural do Oeste É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Blog Mural do Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada,Que esteja sem indentificação.

Tecnologia do Blogger.