expr:class='data:blog.pageType'>

TEMER AVALIA INSTITUIR O PARLAMENTARISMO; VEJA O FUNCIONAMENTO DESSE SISTEMA DE GOVERNO



Os tempos de vigência do presidencialismo podem estar acabando. É que o presidente Michel Temer (PMDB) está disposto a instituir um "teste parlamentarista" no segundo semestre de 2018, caso o Congresso Nacional aprove uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) alterando o regime de governo, visando adotar o novo sistema a partir de 2019. Rejeitado pela população em um plebiscito realizado em 1993, o parlamentarismo é uma forma de governo que une o Executivo e o Legislativo, que passa a ter sede no parlamento. Com a escolha de um primeiro-ministro, o presidente passa a dividir suas atribuições com esse novo cargo, e a ser mais representativo do que decisivo na hora da montagem e definição de diretrizes do governo. 

O cientista político e pesquisador de ciências políticas da Universidade Federal da Bahia, Fábio Dantas, explica que existem diversas formas de parlamentarismo no mundo. "É difícil você encontrar dois países parlamentaristas em que o sistema funcione da mesma forma", disse Dantas. O pesquisador explica que o sistema atual do Brasil - presidencialismo de coalisão - foi definido nas últimas instâncias na época de definição da Constituição Federal e que isso faz com que a gente acabe se aproximando do sistema parlamentarista em alguns momentos dentro da história, o que já ocorre no governo Temer. "Nossa Constituição foi escrita, durante a maior parte do tempo, tendo em mente o sistema parlamentarista. Por isso que existem muitos freios e contrapesos no sistema. O presidente pode editar uma Medida Provisória, o Legislativo pode montar impeachment. 

O princípio é que os três poderes, embora separados, não podem agir de forma independente", explica. No presidencialismo há uma divisão entre os três poderes. No parlamentarismo há uma colaboração e cooperação entre os poderes. Para se instituir o parlamentarismo, seria necessário que a Câmara dos Deputados e o Senado Federal aprovassem em suas comissões e no plenário em dois turnos, por maioria qualificada de 3/5, a PEC que institui o sistema parlamentar de governo.  Com essa mudança, o parlamento teria a Câmara dos Deputados e Senado Federal como nos moldes da Inglaterra e da maioria dos países parlamentaristas (Câmara dos Comuns e Câmara dos Lordes). Eleito por maioria parlamentar ou por indicação do presidente da República, o primeiro-ministro permanece no cargo enquanto desfrutar da confiança da maioria, mas pode perder a nomeação caso haja voto de desconfiança apresentado pela oposição. Nesse caso, ou o primeiro-ministro se demite, ou propõe ao chefe de Estado a dissolução da Câmara. Sempre há a possibilidade de dissolução da Câmara dos Deputados, havendo uma imediata convocação de novas eleições, que deve ocorrer em até 90 dias após a dissolução. 

Com a existência de duas representações do Executivo, há uma divisão entre as tarefas do presidente e do primeiro-ministro. O primeiro fica com a representação do Estado, mantendo a relação com Estados estrangeiros e exercendo o comando das Forças Armadas, enquanto o primeiro-ministro realiza as funções executivas, como administração e política governamentais. "O que se supõe é que para se introduzir aqui, em um país com forte tradição de presidencialismo, dificilmente será instituído o parlamentarismo clássico em que ao presidente vai ser apenas um chefe de estado", explicou Dantas, que afirmou que a instituição do parlamentarismo iria apenas legitimar o que já existe na prática da política brasileira. "No governo Dilma o presidencialismo trincou. 

A relação entre Executivo e Legislativo foi inviabilizada e o sistema entrou em crise. Agora o que se está tentando fazer é buscar um sistema que funcione com menos crises, mas para ser implantado seria necessário muitas discussões sobre o tema", afirmou. Para o professor da Universidade Federal da Bahia e historiador especialista em política do século XX, Carlos Zacarias, a discussão é muito casuística, assim como a reforma política que está sendo proposta no Congresso Nacional. Para ele, instituir o parlamentarismo significa tirar o poder de decisão do povo, que passaria a ser realizada pelo parlamento. "Se essa proposta fosse a voto, quase certeza que a população rejeitaria", disse. 

Caso o parlamentarismo fosse instituído, as eleições para presidente continuariam de quatro em quatro anos e com possibilidade de uma reeleição. O cargo de vice-presidente da República seria extinto e haveria a criação do cargo de vice-ministro, que também substitui o ministro em caso de queda parlamentar até a escolha dos novos membros.
TEMER AVALIA INSTITUIR O PARLAMENTARISMO; VEJA O FUNCIONAMENTO DESSE SISTEMA DE GOVERNO TEMER AVALIA INSTITUIR O PARLAMENTARISMO; VEJA O FUNCIONAMENTO DESSE SISTEMA DE GOVERNO Reviewed by Redação Mural do Oeste on terça-feira, agosto 15, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Mural do Oeste É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Blog Mural do Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada,Que esteja sem indentificação.

Tecnologia do Blogger.