expr:class='data:blog.pageType'>

GOVERNO AVALIA QUE DELAÇÃO DE GEDDEL É O MAIOR RISCO PARA TEMER



Depois da denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Michel Temer, por obstrução de justiça e organização criminosa, o governo quer tentar paralisar a denúncia o máximo possível, no âmbito da Justiça, pelo menos até esta quarta-feira (20), quando o STF retomará o julgamento sobre as irregularidades no processo de delação dos donos da JBS.

Segundo avaliação dos aliados de Temer, ele terá mais facilidade para rejeitar a denúncia, depois do "desgaste" causado ao Ministério Público Federal (MPF) pela reviravolta nas delações da JBS.
Executivos da empresa tiveram os acordos de colaboração revisados e os benefícios rescindidos após áudios indicarem que eles omitiram informações importantes aos investigadores.
A decisão ainda precisa ser homologada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo tribunal Federal (STF). O ministro deu dez dias para que Joesley e Saud se manifestem sobre a rescisão.
Além disso, a possível atuação do ex-procurador Marcelo Miller, a favor do grupo empresarial enquanto ainda estava na PGR, põe em xeque o próprio Janot e as investigações, diz a base governista.
No entanto, se a denúncia chegar à Câmara, o governo trabalhará por uma tramitação rápida. E o motivo tem nome e sobrenome: Geddel Vieira Lima. Preso depois de a Polícia Federal encontrar R$ 51 milhões em apartamento que seria utilizado por ele, o governo já teme uma delação do ex-ministro. Ele foi chefe da Secretaria Geral de Temer e é amigo do presidente.
Desde a prisão do ex-ministro, Temer não comentou o fato, mas alguns aliados mais francos admitem que há uma tensão no entorno do presidente. Eles calculam que Geddel pode dizer que agia só ou a serviço de quem estava nessa empreitada milionária.
A relação entre Temer e Geddel já foi mencionada no depoimento de colaboração premiada de Lúcio Funaro, apontado como operador financeiro do PMDB na Câmara. Ele chegou a citar que Geddel era “amigo e interlocutor” de Temer, além de “forte arrecadador de doações e propinas”.
Segundo Funaro, a pedido de Temer, ele pegou, no escritório do assessor especial e amigo íntimo do presidente José Yunes, uma caixa contendo R$ 1 milhão em espécie. A missão era encaminhar o montante a Salvador (BA), aos cuidados de Geddel Vieira Lima.
A declaração consta no anexo 8 do acordo de delação premiada do doleiro, firmado no dia 22 de agosto, com a Procuradoria-Geral da República (PGR), conforme O Globo.
Ainda de acordo com Funaro, os recursos seriam provenientes de caixa 2, pagos pela Odebrecht, após negociação feita pelo próprio presidente e pelo ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.
A informação do doleiro dá força à suspeita de que o partido estava guardando dinheiro "vivo", na Bahia, com o objetivo de utilizá-lo em campanhas eleitorais.
O ex-ministro cumpria prisão domiciliar, na capital baiana, até o último dia 8, quando foi levado para o complexo prisional da Papuda, em Brasília..

Via: Notícias ao Minuto
GOVERNO AVALIA QUE DELAÇÃO DE GEDDEL É O MAIOR RISCO PARA TEMER GOVERNO AVALIA QUE DELAÇÃO DE GEDDEL É O MAIOR RISCO PARA TEMER Reviewed by Redação Mural do Oeste on segunda-feira, setembro 18, 2017 Rating: 5

Nenhum comentário:

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Blog Mural do Oeste É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. Blog Mural do Oeste poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada,Que esteja sem indentificação.

Tecnologia do Blogger.